Archive for Ô, coisa!!

FALA AÍ, HOMEM DE BEM!

Homem de bem bebe, dirije e MATA.

Homem de bem paga imposto e desce a mão na patroa.
O filho do homem de bem cresce nesse pique.
Mas se for bichinha, o homem de bem MATA ele também.

Afinal, homem de bem tá preocupado com o mundo.
Já que não estão fazendo nada, ele vai ter que fazer.

É um pouco por ele, claro, mas veja bem, é mais até por você.

Homem de bem chama o filho pra linchar a vizinha que sacrifica criança.
Depois, descobre que era boato, mas como ele ia saber?

Homem de bem não leva dedada do doutor.
Homem de bem é tão de bem que, pela honra, prefere morrer também.

Homem de bem, no fundo, mata igual a homem mau.
Mas é tudo pela família e pela moral.

Se for somar o extermínio que ele pratica,
Não tem PCC, CV, ADA ou milícia.
Não tem Rogério, Fernandinho ou Nem.
Deus nos proteja do bendito homem de bem.

Rafael Dragaud  –

 

E eu tenho vontade de vomitar por causa desse maldito homem de bem. Agora ele também decide o que é e o que não é arte. Até põe post avisando: “o primeiro que encontrar esse pedófilo enfia três tiros na fuça desse vagabundo”!

Porque o homem de bem quer proteger sua família criada sob os valores da mais pura TFP e dos desígnios de um deus qualquer. Incita matar e usa hashtag #PAZ.

Ele não é racista, mas nunca vi negro sentado a sua mesa.

Ele não tem preconceito porque até tem amigos gays!

Ele não tem nada contra favelados, oras, a moça que trabalha na casa dele é da favela, se ele tivesse grilo com isso, ela nem passava da portaria.

Até mesmo o porteiro é da favela!

É, homem de bem, hashtag PAZ, conquistou tudo com o próprio suor porque foi educado com valores!

Vai votar no Bolsonaro porque naquela época sim havia respeito. Não havia ditadura, havia organização. Ninguém morreu, ninguém sumiu, militar era honesto!

Homem de bem bota fogo na favela para construir condomínio.

Homem de bem é temente a deus.

É, homem de bem, tua hashtag não tá na PAZ!

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

TIRE O PRECONCEITO DO CAMINHO QUE A ARTE VAI PASSAR

ARTE é uma das grandes formas de gerar o pensamento crítico.
ARTE sempre foi polêmica, ARTE é polêmica.
ARTE nem sempre é para embelezar, mas uma FORMA DE EXPRESSÃO.
ARTE é para questionar.
ARTE é para agradar.
ARTE é para incomodar.
ARTE é diversidade.
ARTE é denúncia.
ARTE é opinião.
ARTE tem que ter liberdade de expressão.

Ninguém tem a obrigação de gostar da obra, mas temos que respeitar a ARTE.

Se quem pensa que ARTE são só quadros e esculturas bonitinhas, bucólicas e decorativas, então não entende nada de ARTE!

Para que todos tenham uma idéia, segue uma enorme lista de obras que foram polêmicas em sua época, e algumas ainda são:
A ‘MONALISA’ e ‘A ÚLTIMA CEIA’ de Leonardo da Vinci. ‘GUERNICA’ de Picasso, ’O JUÍZO FINAL’ de Michelangelo, ‘A MORTE DE MARAT’ de Jacques-Louis David, ‘A PERSISTÊNCIA DA MEMÓRIA’ de Salvador Dalí, ‘SATURNO DEVORANDO UM FILHO’ de Francisco de Goya, ‘O JARDIM DAS DELÍCIAS’ de Hieronymus Bosch, ‘MADAME X’ de John Singer Sargent, as obras de Bansky – que é um pseudônimo e tem sua identidade misteriosa por ser procurado pela Interpol, ‘A ORIGEM DO MUNDO’ de Gustave Courbet por ser uma vagina, ‘VIRGEM MARIA’ de Chris Ofili (Negra? Que horror!), ‘A CLÍNICA GROSS’ de Thomas Eakins, ‘O SONHO DA MULHER DO PESCADOR’ de Hokusai, ‘VÊNUS DE URBINO’ de Ticiano, ‘DAVI’ de Michelangelo e ‘PERSEU’ de Antonio Canova por terem o falo exposto, ‘LIBERDADE GUIANDO O POVO’ de Eugène Delacroix onde uma mulher com seios a mostra lidera o povo, que horror!, ‘O NASCIMENTO DE VÊNUS’ de Sandro Boticelli, ‘ANTROPOFAGIA’ de Tarsila do Amaral, ‘O BEIJO’ de Auguste Rodin (ó, eles estão nus!) e por aí vai!

Todos temos o direito de gostar da peça ou não, lembrando assim que música, teatro, literatura, cinema, fotografia, dança, entre outros, também é ARTE! Se um gosta de música brega e outro não, para um aquilo será arte, para o outro pode incomoda-lo terrivelmente. Basta lembrar de algumas músicas, especialmente do funk atual, que falam de sexo e drogas explicitamente! Para mim esse tipo de funk é baixaria, a ante-arte, ‘apologia’ ao consumo de drogas e desprezo à mulher. Para quem gosta, pode ser uma diversão ou uma forma de expressar e até mesmo denunciar as drogas e a banalização da sexualidade.

Nenhum de nós tem a obrigação de assistir ou participar de qualquer tipo de ARTE – exceto a música quando tocada estridentemente e não temos como evitar ouvi-la. E há lei contra o nível de decibéis, mas quem faz que se cumpra nesse país?

Mas para que as pessoas entendam como esta questão de proibir a ARTE é tão absurda, veja obras que Hitler proibiu:
Banhistas com uma tartaruga – Henri Matisse;
O bebedor de absinto – Pablo Picasso;
Autorretrato dedicado a Paul Gauguin – Vincent Van Gogh;
Os aleijados de guerra – Otto Dix;
La Belle Jardiniere – Max Ernst;
Autorretrato como um soldado – Ernst Ludwig Kirchner;
Nu reclinado – Gustav Klimt;

A conclusão a que chego é que proibir a exposição da arte é tão violento quanto obrigar as pessoas a que assistam sua exposição. É querer calar a liberdade. É censurar a expressão. É puro retrocesso.

Para mim pouco se difere do preconceito religioso, homossexual, racismo, casamento homoafetivo, etc..

Viva e deixe viver. Participe do que a você lhe agrada e não participe do que não lhe agrada. Mas assim como eu não posso lhe obrigar a comer espinafre ou escargot que tanto gosto, você não tem o direito de me dizer o que devo ou não ver, e se devo ou não gostar.

Sua casa pode ser extremamente cafona para mim, e linda para você. Suas roupas podem me parecer caretas e retrógradas já que sou tão original na minha forma de vestir. A própria arte que exerço, a joalheria, talvez lhe pareça rídicula em suas formas modernas e clean se você gostar da joalheria clássica. Mas em momento algum você tem o direito de desvalorizar o meu, ou eu de menosprezar o seu.

Autorretrato dedicado a Paul Gaugin – Vincent Van Gogh

A Clínica Gross – Thomas Eakins

Antropofagia – Tarsila do Amaral

O Beijo – Auguste Rodin

A Linerdade Guiando o Povo – Eugène Delacroix

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

ROCINHA, MON AMOUR!

Leiam. Entendam. Vale a pena para abrir os olhos!

OPINIÃO – FOLHA DE SÃO PAULO

EXÉRCITO SERVE PARA TUDO, MENOS PROTEGER QUEM VIVE NA ROCINHA

(Por GEOVANI MARTINS – 26 anos, escritor e morador da Rocinha para A FOLHA – 25/09/2017)

Tropas das Forcas Armadas faz inervenção na favela da Rocinha, zona sul do Rio de Janeiro.

Quando vi os tanques de guerra entrando no morro, não pude deixar de pensar no verão, 40º C na sombra, a gente sem água por mais de uma semana, tendo muitas vezes que chegar do trabalho e procurar forças pra buscar água no poço ou numa fonte pra tomar banho, fazer comida, lavar a louça. Nos dias sem luz, aquele calor, aquele suor, o ventilador parado, o medo de estragar a comida na geladeira. Naquele menino de dez anos que começa a flertar com o trafico enquanto a mãe está no trabalho. Naquele projeto de futebol, surfe, judô, teatro, música, entre tantos outros, interrompidos pela falta de recursos. Fiquei pensando. Nessas horas, onde é que esteve o Governo do Estado do Rio de Janeiro?

Uma coisa é certa, já estamos acostumados a nos virar por conta própria. A arquitetura do morro, desde os becos, vielas e escadas, até as casas, igrejas, mercados, é a maior prova disso. Aquele vizinho que te empresta uma tomada pra ligar a geladeira e preservar seus alimentos, aquela vizinha que te avisa que está caindo água e faz questão de lembrar que não se pode esquecer de encher os baldes; mostram que apesar de tudo, não estamos sozinhos.

Os tanques de guerra subindo, os caveirões passando, continuei pensando: o que realmente motivou essa ação militar tão repentina? Vieram várias respostas na cabeça: o fato da Rocinha estar no caminho entre Gávea e São Conrado, entre São Conrado e Barra, o Rock in Rio, os alunos da Escola Americana, do Teresiano, da Escola Parque sem aula, a PUC fechada, o circo televisivo batizado pelos próprios jornalistas de cobertura completa, enfim, muitas coisas, mas em momento algum, cheguei a pensar que pudesse ser em defesa do morador.

Até porque, qualquer um com um pouco de boa vontade, pode perceber que uma ação militar convocada assim, de uma hora pra outra, sem nenhuma estratégia desenvolvida, e que usa como braço armado soldados que não conhecem a geografia do lugar e tampouco a dimensão do conflito em que estão se metendo, pode servir pra tudo, menos pra proteger o morador.

Nessas horas, é impossível não lembrar da UPP ocupando o morro. No BOPE metendo o pé na nossa porta, revirando tudo, perguntando onde é que arrumamos dinheiro pra comprar nossas coisas, exigindo nota fiscal. Tudo isso por nada, já que a quantidade de armas e drogas apreendidas nesse período foi baixa, e não demorou muito pro tráfico recuperar a mesma força de antes.

Esse filme está se repetindo agora mesmo. Com o menino de treze anos recém chegado do nordeste, que teve a casa invadida por policiais logo depois da mãe sair pro trabalho, e não sabendo responder a tantas perguntas acabou com o braço quebrado. Com os muitos moradores que enviaram fotos para a página Rocinha em Foco, denunciando a ação dos policiais, mostrando suas portas arrombadas, suas casas todas reviradas.

E em meio a tudo isso, ainda somos obrigados a ver, no espaço virtual que usamos pra nos atualizar e de certa forma, cuidarmos uns dos outros, pessoas (a grande maioria utilizando um perfil fake) xingando esses moradores, dizendo que querem denunciar os policiais militares mas não querem denunciar os traficantes. Sim, chegamos ao ponto em que grande parte da população acha super natural comparar a segurança pública com o crime organizado. Ninguém que aponta o dedo tem ideia de como dói ter os direitos violados, passar os dias ouvindo a bala cantar, carregar essa sensação de impotência, e ainda por cima, sair como culpado.

Já que comecei a falar dos comentários que recebemos de fora, não posso deixar passar batido a cobertura ostensiva da televisão, que conseguiu passar um dia inteiro sem nos dar nenhuma informação relevante e ainda faz questão de lembrar a todo momento o quanto estavam sofrendo os cariocas que precisavam passar por aquele pedaço da cidade. O nosso pedaço de cidade.

Nesse mesmo dia em que os tanques de guerra entraram na Rocinha, vi na internet uma matéria de um jornal português sobre a Cia Marginal, grupo de teatro formado no Complexo da Maré, onde destacavam a seguinte frase: A violência está no mundo. Não nas favelas. Nada pode ser mais simples: é impossível separar as favelas do mundo, esquecer que elas fazem parte de uma cidade, estado, país, é impossível ignorar seus contextos e tudo o que aconteceu até chegar nesse momento. No entanto, lembrando de tudo o que disse o governador, o chefe de segurança pública, os jornalistas na televisão, os fakes com fotos de militares, concluí que é exatamente isso o que estão tentando fazer desde sempre. Separar a favela do mundo.

(Todas as fotos são de Eduardo Anizelli/Folhapress)

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

A UNIÃO FAZ A FORÇA!

Estou absolutamente de saco cheio desse papo de coxinha contra mortadela!

Enquanto as pessoas defendem com unhas e dentes seus políticos favoritos, não veem que estão sendo sugados por políticos e executivos inescrupulosos, imorais, salafrários!

Que como os morcegos vampiros, têm anestésicos na saliva para que suas vítimas não sintamos que estamos sendo sugados, mas depois nos deixam bactérias e vírus que vão nos matando lentamente!

E basta de ser cego porque não pode dar o braço a torcer e abrir mão do seu político de estimação!

Existem provas e fatos contra todos, T-O-D-O-S!

Lula, Temer, Dilma, Cunha, Dirceu, M. Odebrecht, E. Odebrecht, Wesley e Joesley, Cabral, Pezão, Lewandovsky, Maia, Gleisi, e muitos etcs.!

Nós todos estamos sendo sugados, estuprados, saqueados por todos eles e seus partidos! PMDB, PSDB, PT, PCdoB, e todos os outros!

NÃO TEM POLÍTICO HONESTO NESTE PAÍS!

Devíamos nos unir pelo nosso bem, não para defender Lulas ou Aécios! Mas para defender a nós mesmos, às nossas famílias!

Quanto mais discutimos e brigamos, mais nos sugam, nos enfraquecem, nos f***m!

E nós deixamos… Cheios de ilusão, deixamos.

E sabemos que unidos poderíamos fazer muito mais. Unidos deixaríamos de ser massa para sermos pensadores, gente que acontece. Unidos seríamos mais fortes!

Vamos deixar de defender os que supostamente nos representam no governo, e fazer o que tem que ser feito!

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

YOU’RE NOT EQUAL. I’M SORRY!

Women’s March, 2017. Philadelphia, PA

You Are Not Equal. I’m Sorry.

A post is making rounds on social media, in response to the Women’s March on Saturday, January 21, 2017. It starts with “I am not a “disgrace to women” because I don’t support the women’s march. I do not feel I am a “second class citizen” because I am a woman….”

This is my response to that post.

SAY THANK YOU  

Say thank you. Say thank you to the women who gave you a voice. Say thank you to the women who were arrested and imprisoned and beaten and gassed for you to have a voice. Say thank you to the women who refused to back down, to the women who fought tirelessly to give you a voice. Say thank you to the women who put their lives on hold, who –lucky for you — did not have “better things to do” than to march and protest and rally for your voice. So you don’t feel like a “second class citizen.” So you get to feel “equal.

Thank Susan B. Anthony and Alice Paul for your right to vote.

Thank Elizabeth Stanton for your right to work.

Thank Maud Wood Park for your prenatal care and your identity outside of your husband.

Thank Rose Schneiderman for your humane working conditions.

Thank Eleanor Roosevelt and Molly Dewson for your ability to work in politics and affect policy.

Thank Margaret Sanger for your legal birth control.

Thank Carol Downer for your reproductive healthcare rights.

Thank Margaret Fuller for your equal education.

Thank Ruth Bader Ginsburg, Shannon Turner, Gloria Steinem, Zelda Kingoff Nordlinger, Rosa Parks, Angela Davis, Malika Saada Saar, Wagatwe Wanjuki, Ida B. Wells, Malala Yousafzai. Thank your mother, your grandmother, your great-grandmother who did not have half of the rights you have now.

You can make your own choices, speak and be heard, vote, work, control your body, defend yourself, defend your family, because of the women who marched. You did nothing to earn those rights. You were born into those rights. You did nothing, but you reap the benefits of women, strong women, women who fought misogyny and pushed through patriarchy and fought for you. And you sit on your pedestal, a pedestal you are fortunate enough to have, and type. A keyboard warrior. A fighter for complacency. An acceptor of what you were given. A denier of facts. Wrapped up in your delusion of equality.

You are not equal. Even if you feel like you are. You still make less than a man for doing the same work. You make less as a CEO, as an athlete, as an actress, as a doctor. You make less in government, in the tech industry, in healthcare.

You still don’t have full rights over your own body. Men are still debating over your uterus. Over your prenatal care. Over your choices.

You still have to pay taxes for your basic sanitary needs.

You still have to carry mace when walking alone at night. You still have to prove to the court why you were drunk on the night you were raped. You still have to justify your behavior when a man forces himself on you.

You still don’t have paid (or even unpaid) maternity leave. You still have to go back to work while your body is broken. While you silently suffer from postpartum depression.

You still have to fight to breastfeed in public. You still have to prove to other women it’s your right to do so. You still offend others with your breasts.

You are still objectified. You are still catcalled. You are still sexualized. You are still told you’re too skinny or you’re too fat. You’re still told you’re too old or too young. You’re applauded when you “age gracefully.” You’re still told men age “better.” You’re still told to dress like a lady. You are still judged on your outfit instead of what’s in your head. What brand bag you have still matters more than your college degree.

You are still being abused by your husband, by your boyfriend. You’re still being murdered by your partners. Being beaten by your soulmate.

You are still worse off if you are a woman of color, a gay woman, a transgender woman. You are still harassed, belittled, dehumanized.

Your daughters are still told they are beautiful before they are told they are smart. Your daughters are still told to behave even though “boys will be boys.” Your daughters are still told boys pull hair or pinch them because they like them.

You are not equal. Your daughters are not equal. You are still systemically oppressed.

Estonia allows parents to take up to three years of leave, fully paid for the first 435 days. United States has no policy requiring maternity leave.

Singapore’s women feel safe walking alone at night. American women do not.

New Zealand’s women have the smallest gender gap in wages, at 5.6%. United States’ pay gap is 20%.

Iceland has the highest number of women CEOs, at 44%. United States is at 4.0%.

The United States ranks at 45 for women’s equality. Behind Rwanda, Cuba, Philippines, Jamaica.

But I get it. You don’t want to admit it. You don’t want to be a victim. You think feminism is a dirty word. You think it’s not classy to fight for equality. You hate the word pussy. Unless of course you use it to call a man who isn’t up to your standard of manhood. You know the type of man that “allows” “his” woman to do whatever she damn well pleases. I get it. You believe feminists are emotional, irrational, unreasonable. Why aren’t women just satisfied with their lives, right? You get what you get and you don’t get upset, right?

I get it. You want to feel empowered. You don’t want to believe you’re oppressed. Because that would mean you are indeed a “second-class citizen.” You don’t want to feel like one. I get it. But don’t worry. I will walk for you. I will walk for your daughter. And your daughter’s daughter. And maybe you will still believe the world did not change. You will believe you’ve always had the rights you have today. And that’s okay. Because women who actually care and support other women don’t care what you think about them. They care about their future and the future of the women who come after them.

Open your eyes. Open them wide. Because I’m here to tell you, along with millions of other women that you are not equal. Our equality is an illusion. A feel-good sleight of hand. A trick of the mind. I’m sorry to tell you, but you are not equal. And neither are your daughters.

But don’t worry. We will walk for you. We will fight for you. We will stand up for you. And one day you will actually be equal, instead of just feeling like you are.

~ Dina Leygerman, 2017

Source: https://medium.com/@dinachka82/about-your-poem-1f26a7585a6f#.no83zx2re

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

ABSURDO AO QUADRADO X 1000

Bom, agora estão querendo passar um projeto de lei em que fica proibido a qualquer pessoa falar mal ou criticar políticos nas redes sociais, blogs, etc., prevendo punição de até 6 anos em regime de reclusão, assim como querem eliminar o Marco Civil, a lei que garante o direito de expressão aos internautas.

Com o novo projeto de lei, não apenas se instauraria uma ditadura no que podemos ou não escrever ou falar, mas também consta que qualquer autoridade poderia requisitar TODA nossa comunicação via internet – WhatsApp, Messenger, mensagens de celular, além das redes sociais como Facebook, Twitter, etc. – SEM A NECESSIDADE DE UM MANDATO DE BUSCA.

Alô, Brasil, querem voltar à ditadura!! Não é militar! É pior! Daqui a pouco só vamos poder passar as férias na Venezuela ou na Coréia… do Norte!!!!!

Talvez esta seja a última vez que eu possa escrever sobre política… 😳

Well, now Dilma’s government is trying to pass a Bill forbidding anyone to criticize politicians on social networks, blogs, etc., providing as punishment up to 6 years in confinement. As well they plan to eliminate the landmark law that guarantees the right of freedom of expression to Internet users.

With the new Bill, we would have patterns of dictatorship in what we can and can’t write or speak, but also it says that ANY authority could order ALL our internet communications – WhatsApp, Messenger, mobile messages, in addition to social networks like Facebook, Twitter, etc. – without the need of a WARRANT.

Hello, Brazil, they want to go back to the dictatorship era! Not a military one, but worse! Soon they will only allow us to spend our vacations in Venezuela or in North Korea!!

Maybe this is the last time I write about politics! 😳

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

ABSURDO!!

Dólar atingiu a marca recorde desde o início do Plano Real:

dolar

E isso que a desgramenta* da presidente foi Ministra da Economia e se diz economista – o que é uma mentira já que ela NÃO se formou!

*desgraçada, horrorosa, nojenta, hipócrita, mentirosa, e por aí vai!

Dollar reached record mark in Brazil in the last 21 years, when Real was introduced as a new currency by the former President Fernando Henrique Cardoso, the Real plan’s political architect. At that time he was the Finance Minister, and was elected President 3 months later.*

And this with the actual President, Dilma Rousseff, that was the Finance Minister during President Lula government, and pretend to be an Economist – yeah, she lies about her graduation in Economy Sciences, something that never happened. 

Brazil is a mess! A huge horrible mess! We’re having the worst economic crisis since the Crack of 1929. The violence is totally out of control. The misery is growing. EVERYTHING SUCKS! And all is because of 3 terms of the Workers Party in the government. They became rich, they stole everything from health, education, destroyed Petrobras, made absurd deals with Venezuela, Argentina, Bolivia. ARGH! I don’t even know how to start explaining what they did to this country. 

It’s a shame! A huge disgusting shame!

*More info at “The Real Plan

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

ECONOMIA & POLÍTICA BRASILEIRA

Não aguento ver programas de tragédias ou sobre terror na TV, me deprime muito! Por isso quando começa “Conta Corrente”, “Economia e Negócios”, “Painel”, “Fatos e Versões”, “O Povo Economia”, eu mudo logo de canal e vou assistir algo sobre serial killers ou filmes tipo “O Exorcista” ou “O Iluminado”, algum desses programas lights e relaxantes!

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

15 COISAS QUE VOCÊ NÃO DEVE A NINGUÉM EMBORA VOCÊ ACHE QUE DEVE

1. Você não deve qualquer explicação para sua situação de vida.
2. Você não deve qualquer explicação para as suas prioridades de vida.
3. Você não deve qualquer pedido de desculpas, se você não está arrependido.
4. Você não deve explicação a ninguém pelo tempo que passa sozinho.
5. Você não deve a ninguém explicações sobre suas crenças pessoais.
6. Você não deve a ninguém um sim a tudo o que dizem.
7. Você não deve qualquer explicação sobre a sua aparência física.
8. Você não deve qualquer explicação para as suas preferências alimentares.
9. Você não deve qualquer explicação para a sua vida sexual.
10. Você não deve qualquer explicação para a sua carreira ou opções de vida pessoal.
11. Você não deve qualquer explicação sobre as suas opiniões políticas ou religiosas.
12. Você não deve explicação a ninguém para ser único.
13. Você não deve ir a um encontro só porque a outra pessoa quer.
14. Você não deve qualquer explicação para a sua decisão sobre o casamento.
15. Você não deve qualquer explicação para as suas escolhas de relacionamento.

(Fonte: http://www.contioutra.com/15-coisas-que-voce-nao-deve-ninguem-embora-voce-ache-que-deve/)

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

QUANTAS PERDAS!

Puxa, mais uma perda querida neste final de julho…

Ariano-Suassuna

Morreu hoje o dramaturgo, romancista e poeta paraibano, ocupante da cadeira 32 da Academia Brasileira de Letras (patrono: Barão de Santo Ângelo), ARIANO VILAR SUASSUNA.

Suas obras mais conhecidas são “AUTO DA COMPADECIDA” e “A PEDRA DO REINO”.

No dia 19/07 foi o grande escritor, psicanalista, educador e teólogo RUBEM ALVES.

Rubem Alves

Termino com um poema de outro membro da ABL que também faleceu este mês, IVAN JUNQUEIRA (03/09/1934-03/07/2014), ensaísta, jornalista, tradutor, poeta e crítico literário.

TRISTEZA

Esta noite eu durmo de tristeza.

(O sono que eu tinha morreu ontem

queimado pelo fogo de meu bem.)

O que há em mim é só tristeza,

uma tristeza úmida, que se infiltra

pelas paredes de meu corpo

e depois fica pingando devagar

como lágrima de olho escondido.

 

(Ali, no canto apagado da sala,

meu sorriso é apenas um brinquedo

que a mãozinha da criança quebrou.)

 

E o resto é mesmo tristeza.

Ivan Junqueira – “Os Mortos”

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page