Archive for Eu, hein!?! Xô!!

DIÁRIO DE UMA NÃO-TORCEDORA

Nunca fui fanática por nenhum esporte. Na verdade, acho que nunca fui fanática por nada! Talvez por isso eu não consiga entender e tenha tanta birra com torcidas, seja do que for! Sim, tem times que gosto. Mas não sofro por eles, não grito por eles. Curto, fico feliz se ganham, digo um “que pena” quando perdem, mas fica só nisso mesmo.

Morar em uma cidade onde tem apenas 2 times fortes no país do futebol acaba sendo difícil quando esses times estão jogando. Belo Horizonte, Cruzeiro e Atlético. A rinha é tão grande que as vezes nem sei se comemoram mais quando o próprio time faz gol ou quando o outro leva! É foguetório, gritos, buzinaços, que vão pela noite afora, impedindo o sono, nos fazendo saltar de susto, deixando bebês, idosos e animais histéricos, e eu, de saco cheio!

E fanáticos parece que não pensam! Quando o adversário está por cima, criticam dizendo que nem sabem ficar por cima. Buscam títulos passados e ficam comparando, competindo, brigando. Quando o adversário está por baixo, enchem o saco querendo humilhar. Buscam títulos passados e ficam comparando, competindo. O mesmo blá, blá, blá!

Barulho2

O importante é brigar, é sacanear o outro, é se dizer melhor. Seja o time que for, tem sempre seu rival mor. E é sempre a mesma coisa seja aqui, em qualquer outro lugar do Brasil ou do mundo! E essa rinha muitas vezes deixa saldos terríveis com quebra-quebras, bulling e contato físico que muitas vezes levou até a morte tanto de culpados quanto de inocentes.

Fanatismo… E eu de saco cheio! Com licença, acaba de acabar um jogo do Cruzeiro, deixa eu ir alí pegar um fone de ouvido!

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

DURO DE ENGOLIR!

Continuo não entendendo como que Chico Buarque, Caetano e Gil possam estar de acordo com alguém como Bolsonaro!

Censura, galera? Sério mesmo? Justo vocês que tanto lutaram contra isso!!

image

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

CRENÇAS

Super respeito sua crença, por quê então você quer me convencer que estou errada na minha descrença? Você acha um absurdo que eu não creia? Você me acha burra por isso? Louca? Então me ache, mas me deixe em paz, pelo amor do seu deus e pela falta de um meu! Obrigada!

Esta mensagem é destinada a todas aquelas pessoas que não podem aguentar caladas e se sentem na obrigação de querer, insistir, incomodar, com suas tentativas de catequizar-me. Aos demais, aos que temos respeito mútuo e amor, agradeço sempre o carinho que me passam em suas orações a seus deuses!

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

#mudabrasil #ogiganteacordou #changebrazil

Dona Dilma, não se atreva! Se tirar a comunicação do povo, se cortar essa liberdade, vai estar mais evidente ainda essa ditadura mascarada e ilusionista de PT! Seu ditador Lula, do qual você é capacho, vai cair, e você vai junto. Sua “cúria” toda tem nome e sobrenome bem conhecidos por todos os brasileiros.

Dona Dilma, não se atreva a tentar calar o nosso povo – é, este povo um dia também foi o seu! O Facebook, o Twitter são apenas nossas ferramentas. Os “Cara Pintadas” não tinham nem celulares…

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=320945921372309&set=a.149992591800977.32761.149968585136711&type=1&theater

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

SAÚDE SIM, LOUCURA NÃO!

“Pelo amor de Deus, eu não quero usar nada nem ninguém, nem falar do que não sei, nem procurar culpados, nem acusar ou apontar pessoas, mas ninguém está percebendo que toda essa busca insana pela estética ideal é muito menos lipo-as e muito mais piração?

Uma coisa é saúde, outra é obsessão. O mundo pirou, enlouqueceu. Hoje, Deus é a auto imagem. Religião, é dieta. Fé, só na estética. Ritual é malhação. Amor é cafona. Sinceridade, é careta. Pudor, é ridículo. Sentimento, é bobagem. Gordura é pecado mortal. Ruga é contravenção. Roubar pode, envelhecer, não! Estria é caso de polícia. Celulite é falta de educação. Filho da puta bem sucedido é exemplo de sucesso. A máxima moderna é uma só: pagando bem que mal tem?

A sociedade consumidora, a que tem dinheiro, a que produz, não pensa em mais nada além da imagem, imagem, imagem. Imagem, estética, medidas, beleza, Nada mais importa, a cultura, a sabedoria, o relacionamento, a amizade, a ajuda, nada mais importa. Não importa o outro, o coletivo. Jovens não tem mais fé, nem idealismo, nem posição política. Adultos perdem o senso em busca da juventude fabricada. OK, eu também quero me sentir bem, quero caber nas roupas, quero ficar legal, quero caminhar, correr, viver muito, ter uma aparência legal, mas… Uma sociedade de adolescentes anoréxicas e bulímicas, de jovens lipoaspirados, e turbinados aos 20 anos não é natural. Não é, não pode ser. Que as pessoas discutam o assunto. Que alguém acorde. Que o mundo mude. Que eu me acalme e que o amor sobreviva.

“Cuide bem do seu amor , seja ele quem for .”

– Herbert Vianna – 

Foto da campanha “Dove: Real Beauty”

Gosto desse texto do Herbert Vianna. Gosto desta visão. Passei a ter uma vida mais saudável, e muitas vezes exijo mais estética de mim mesma. Finalmente estou aprendendo a deixar os estigmas de lado. Logo eu que acabei TENDO que fazer cirurgias plásticas por causa de um acidente de criança, e depois por causa da necessidade da dupla mastectomia.

Tive meu corpo mutilado por culpa de uma doença cruel. Ganhei peso por causa de medicação fortíssima e sofrimento, muito sofrimento físico e psicológico. Não só o câncer e a quimioterapia me maltrataram, mas muitas pessoas que estavam ao meu redor.

Tive que aprender a viver com uma nova eu. Com um corpo com diferentes necessidades e limitações. Tive que me adaptar a uma nova vida mais uma vez em outro país, em outra cidade, com outros recursos. Tive que recomeçar, renascer, reconhecer em mim uma nova pessoa, com tudo diferente e pouco do mesmo.

E ainda me falta muito. Mas aprendi a não calar quando quero dizer. A não engolir os sapos que não me pertençam. A passar adiante as coisas boas que recebi, e a jogar no lixo as ruins.

Agora estou aprendendo a buscar por uma nova estética, física e psicológica. Ainda é difícil deixar certos valores para trás, dar menor importância a certos sentimentos, e virar páginas como se não tivessem sido importantes. Mas daqui a pouco eu chego lá!

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

HISTÓRIA, NADA DE ESTÓRIAS!

“Enquanto não atravessarmos nossa própria solidão, continuaremos a nos buscar em outras metades… Para viver a dois, antes, é necessário ser um.” – Fernando Pessoa.

Sempre me foi difícil ter relacionamentos plenos pois sempre acreditei não necessitar um par para ser feliz. Os necessitei como companheiros em vários momentos, mas não para me constituir como pessoa, para ser plena. Eu não tenho outra metade posto que nasci inteira! Não sou laranja nem outra fruta! Escolhi compartilhar minha vida, e escolher é diferente de precisar.

Mas a recíproca não me pareceu igual. Assim nenhum dos lados puderam ser felizes depois que a paixão do princípio se acalmou. Acho que por isso não perdurou, não tinha como perdurar. Quando a necessidade de um par é tão diferente, a relação fica capenga. Isso acontece a toda e qualquer união social, seja casal, família, amigos, trabalho. Quando o objetivo e/ou as necessidades da união se diferem, a união não pode permanecer estabelecida.

E aí as diferenças ficam soberbas! E essa soberbia incomoda muito, transformando-se em verdadeira T.N.T.

As gracinhas viram ironias. As piadas, provocações. O nível social que dantes não era problema, passa a ser um despautério! A intelectualidade divergente que podia dar até um certo molho picante no início, passa a ser falta de inteligência cortante!! A variedade cultural de um lado vira snobismo à singularidade do outro.

Mas as experiências servem para o aprendizado e crescimento humano. E por mais que doa, transformar a dor é direito e evolução do ser humano. Intuito de alguns, conquistas de pouquíssimos já que para isso havemos de nos aprofundar mais e mais nessa dor, senti-la ainda mais forte. Aí então poderemos começar a destrinchá-la, entendê-la e tirar-lhe proveito.

Ou então simplesmente fechamos o livro, o ignoramos, repetimos tudo de novo, fracassamos uma e outra vez, e ficamos ali no mesmo lugar acreditando em uma evolução frágil e mascarada. E a vida passa. Pode até que a estória perdure, mas a evolução ficou estancada muito tempo atrás…

Para alguns, ou muitos, essa simplicidade (na falta da palavra simploriedade) pode ser suficiente, mas não para mim! Os simples resolvem a complexidade, os simplórios a evitam. Antes de alimentar minh’alma ou corpo, necessito alimentar meu cérebro. E cérebros se alimentam apenas de outros cérebros!

Uma vez alguém me disse que errar o mesmo erro uma e outra vez era como assistir o mesmo filme e a cada vez, esperar que o herói não morresse no final, esquecendo que tudo aquilo era apenas a re-apresentação do mesmo filme, apenas com um casting diferente.

Por isso não releio as mesmas estórias…

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

LIFE IRONIES!

Isn’t funny when your second ex-husband is getting married on your first ex-husband’s birthday? 😛

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

;-P

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

CALMARIA??? NAO! AJUDA URGENTE A GHANA!

Quando a gente acha que a vida vai dar um tempinho prá gente se recuperar das loucuras, mudanças, tropeços e batalhas, ela vem e nos dá mais uma rasteira. Aí a gente levanta de novo, começa a se recuperar, e pof!, lá vem mais uma. Parece que a gente cai no chão, se segura numa cadeira, quando começa a levantar a cadeira cai. Aí começa tudo de novo… Arf! Arf! Arf! Dá prá ficar sem ar!!!!

Mas no meio de tropeços, de pular uma onda e ser derrubada pela próxima, a gente vai quase que pedindo: “Vem! Manda mais que vocês vão ver se não dou conta! Oras bolas!”

Não, não estou mal! Nem deprê! Nem me lamentando! Apenas comentando! 🙂

Na verdade estou muito bem, obrigada!

Cheguei aqui no Brasil no dia 10 de agosto. Cheguei assim como de fininho, devagar, sem fazer alarde. E dia a dia fui me acostumando, me organizando, me re-erguendo da mudança, da separação, da distância agora daqui prá lá!

Quando tudo começa a tomar um pouquinho de rumo, mamãe ficou muito doente. Pronto Socorro, erro médico, Pronto Socorro, CTI por 3 dias e 16 dias de hospital. Susto total, piorado quando os médicos vieram falar da suspeita de um câncer no fígado. Ai, caramba! No fígado?? “Meu mundo caiu e agora ninguém tem pena de mim…”

Mas não era não! Era um p**a abscesso no fígado causado por uma complicação de uma crise de divertículite. Coisa séria, mas tratável e JÁ CURADA! Yeba!!!! O bom da estória foi que a minha “irmã-prima”, a minha txai, veio de Belém para ajudar. Mas chegou aqui no dia seguinte da mamãe receber alta e aí foi tudo alegria! Só correr pros braços da torcida e comemorar dando aqueles passinhos de samba que não tenho nem p**a idéia de como fazer!

Mas o último susto foi há uns dias atrás com a inundação que ocorreu em Ghana. Ghana? O que é que tenho a ver com Ghana? Meu sobrinho Fernando, da Califórnia, foi para Ghana há 3 semanas para ajudar uma ONG a reconstruir a escola e a vila depois de terem sofrido duas inundações no começo do ano. Mas aí aconteceu outra e ele ficou praticamente com a roupa do corpo e com a mochila, onde tinha o passaporte, um poquinho de dinheiro, o laptop e a filmadora. Ele quase foi levado pela enchente, mas Siza, um dos caras que ajuda na GGYN, literalmente carregou meu sobrinho nas costas para cruzar o rio e o salvou.

Estão todos bem, sem teto, se abrigando como podem com conhecidos e amigos. Mas PERDERAM ABSOLUTAMENTE TUDO! A escola, as casas, roupas, móveis. Ghana é um país muito pobre, em Accra (a capital) não existe rua asfaltada! Então imaginem a devastação que uma enchente não causa!!

Enfim… Agora estou em plena campanha para ajudá-los. Não tem jeito de mandar material nenhum porque é muito longe e fica muito caro, além do quê, os correios de lea estão incomunicáveis! Estou fazendo campanha para doação monetária através do site deles mesmo!

Então vamos lá: AJUDA AS VÍTIMAS DA ENCHENTE DE GHANA – Faça sua doação aqui: GGYN – QUALQUER valor é bem vindo! Literalmente! Se R$ 5,00 parece pouco para a gente, para eles não é! AJUDE!!!

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

RIO DE JANEIRO, BOPE, PAZ, TRÁFICO, HUMOR, GOVERNO

Polícia deveria ser protetora, estabelecedora da ordem, pacificadora, amiga do povo. Infelizmente o poder é a droga mais forte que existe, e mesmo que em pequenas quantidades, vira a cabeça dos homens. Seguranças até de festa, só pela ordem de barrar ou não alguém, já se acham no direito de reinar. Quando existe uma arma que pode tirar a vida nas mãos deles, este pequeno poder os transforma em verdadeiros deuses.

Agora vemos a polícia e outras forças de segurança no Rio de Janeiro com todo o poder e força, e, pela primeira vez em muitos anos, nós estamos do mesmo lado.

Também pela primeira vez, vemos claramente dois lados bem definidos nesta “guerra”: os traficantes no lado do Mau, as forças de segurança do lado do Bem. E nós, vítimas tanto de um quanto de outro, reunimos todas nossas esperanças, e queremos acreditar no Bem. Neste momento esquecemos que a polícia, o governo, empresários, entre outros, foram coniventes e aliados, quando não associados, aos que agora representam o Mau. Esquecemos que perdemos filhos, irmãos, amigos, pais, não só para o grupo do Mau, mas para os que agora representam o Bem. E não foi por bala perdida, por acidente, por falta de intenção. Foram mortes propositais porque muitos que agora estão no grupo do Bem, tiveram que escolher um lado oficial, ao menos neste momento.

Eu queria poder confiar neles o ano inteiro, a minha vida inteira! Mas quando as condições tanto de poder quanto de vida têm tanta disparidade e a corrupção facilita a melhoria desta ou apenas o acesso ao poder, eu me mantenho alerta!

Acho que somos, queremos ser, ingênuos e acreditar que agora tudo vai ficar bem, que temos aliados e o Rio está começando um processo que vai se alastrar pelo estado e depois tomar o país, e vamos ser felizes para sempre, the end!

Deixamos que a mídia nos encha de esperanças! Acreditamos que o Coronel Nascimento exista e o vemos no rosto do Beltrame e em cada um dos seus soldados – até procuramos para ver se tem alguém parecido com o Wagner Moura! Vidramos nos programas de televisão e acreditamos em cada ataque, cada prisão, cada apreenção. Como na Copa viramos patriotas da noite para o dia e reverenciamos com orgulho a bandeira do Brasil no topo do Conjunto do Alemão. Descrescemos e voltamos a acreditar em contos de fadas e super-heróis!

Mas enquanto policiais tenham que morar em favelas porque seu trabalho não lhe dá condições de uma vida mais digna; Enquanto seus filhos não tiverem uma perspectiva de um futuro melhor; Enquanto a miséria façam que os valores sociais sejam distorcidos, podemos tentar acreditar em qualquer conto de fadas, mas nada vai mudar.

Em uma “empresa” que emprega o mesmo número de pessoas que a Petrobrás, e muita gente está envolvida e mamando nela, ninguém quer “fechar as portas”. Vida? O que vale a vida quando a outra opção é grana, muita grana? Talvez para você, como para mim, não tem dinheiro que pague. Para eles, não tem vida que valha!

Bolívia produz coca… Bolívia não produz acetona, éter, etc… Brasil exporta esses químicos para a Bolívia. O pessoal da indústria química não sabe para que vão ser usados? Os exportadores e transportadores também não? O governo que tabela, autoriza, promove essa exportação, também não?

Ahãn… me engana que eu gosto! Esse é nosso problema: a gente gosta de ser enganado e vai deixando, deixando, deixando… E agora esperamos que Coronéis Nascimento da vida voem ao redor do globo e consertem todos os erros, os que foram feitos, e que deixamos serem feitos.

Somos acomodados (não me exclúo!) porque é mais fácil, mais cômodo. É muito chato abrir mão de nosso conforto, compartilhar nossas posses, arcar com o compromisso social… Deixa que o Estado faz! E tiramos o nosso da reta!

Aí, como bons brasileiros que somos, fazemos piadas e brincadeiras com as tragédias que nos assolam. Coisa que outros povos nem cogitam nem entendem!



Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page