Archive for Being Naluh

VITÓRIAS E PERDAS

Parte de mim é euforia, a outra é saudade
Uma metade aliviada, a outra doída
Por um lado sorrio, por outro derramo meu pranto
Em uma renasço, outra morre pouco a pouco.

– Naluh Maués – 

 

Anna Maria Parsons, filósofa, jornalista, especialista em história, musicóloga, altruísta, maestra, apaixonada pela arte e cultura (especialmente a mineira), idealizadora e criadora do “Centro de Referência Musicóloga José Maria Neves – São João del Rei, elegantíssima, de memória impar e de uma cultura invejável.

A mais nova eterna em minha memória.

Dói. Ficam as saudades…

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

LORD CHEETOS’ ACTIONS

I really do not know what to say about everything the American President is doing right now.

Sometimes I think he is just crazy. Others, that he is doing all of this as a show off, to satisfy his ego and show how powerfull he is. I even thought he is doing all these crazy things so fast so he can be impeached and give the power to Pence (isn’t that even scarrier?)

But deep inside of me, I have an horrible feeling. And this feeling brings me memories of history. A history I did not live, but that I studied and I personally knew, and know, people who did live it.

I look at Lord Cheetos and I think about all the dictators this world had, but the one thay stays in my mind is the one that we are never supposed to forget: Adolf Hitler. And this is the scariest thought I can have.

But even if I am overreacting, we all have to be very aware about the international reaction to Cheetos’s actions. It took a lot of efforts for the Americans to recover a good image around the world. But it is taking Trump only a week to destroy it.

I really hope I am overreacting…

http://edition.cnn.com/2017/01/28/politics/donald-trump-travel-ban/index.html

https://www.theguardian.com/sport/2017/jan/29/sir-mo-farah-donald-trump-made-me-an-alien?CMP=fb_gu

http://www.thedailybeast.com/articles/2017/01/28/a-man-without-grace-meets-a-party-without-conscience.html?source=TDB&via=FB_Page

“Oh say does that star spangled banner yet wave,
For the land of the FREE, and the home of the brave.”

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

YOU’RE NOT EQUAL. I’M SORRY!

Women’s March, 2017. Philadelphia, PA

You Are Not Equal. I’m Sorry.

A post is making rounds on social media, in response to the Women’s March on Saturday, January 21, 2017. It starts with “I am not a “disgrace to women” because I don’t support the women’s march. I do not feel I am a “second class citizen” because I am a woman….”

This is my response to that post.

SAY THANK YOU  

Say thank you. Say thank you to the women who gave you a voice. Say thank you to the women who were arrested and imprisoned and beaten and gassed for you to have a voice. Say thank you to the women who refused to back down, to the women who fought tirelessly to give you a voice. Say thank you to the women who put their lives on hold, who –lucky for you — did not have “better things to do” than to march and protest and rally for your voice. So you don’t feel like a “second class citizen.” So you get to feel “equal.

Thank Susan B. Anthony and Alice Paul for your right to vote.

Thank Elizabeth Stanton for your right to work.

Thank Maud Wood Park for your prenatal care and your identity outside of your husband.

Thank Rose Schneiderman for your humane working conditions.

Thank Eleanor Roosevelt and Molly Dewson for your ability to work in politics and affect policy.

Thank Margaret Sanger for your legal birth control.

Thank Carol Downer for your reproductive healthcare rights.

Thank Margaret Fuller for your equal education.

Thank Ruth Bader Ginsburg, Shannon Turner, Gloria Steinem, Zelda Kingoff Nordlinger, Rosa Parks, Angela Davis, Malika Saada Saar, Wagatwe Wanjuki, Ida B. Wells, Malala Yousafzai. Thank your mother, your grandmother, your great-grandmother who did not have half of the rights you have now.

You can make your own choices, speak and be heard, vote, work, control your body, defend yourself, defend your family, because of the women who marched. You did nothing to earn those rights. You were born into those rights. You did nothing, but you reap the benefits of women, strong women, women who fought misogyny and pushed through patriarchy and fought for you. And you sit on your pedestal, a pedestal you are fortunate enough to have, and type. A keyboard warrior. A fighter for complacency. An acceptor of what you were given. A denier of facts. Wrapped up in your delusion of equality.

You are not equal. Even if you feel like you are. You still make less than a man for doing the same work. You make less as a CEO, as an athlete, as an actress, as a doctor. You make less in government, in the tech industry, in healthcare.

You still don’t have full rights over your own body. Men are still debating over your uterus. Over your prenatal care. Over your choices.

You still have to pay taxes for your basic sanitary needs.

You still have to carry mace when walking alone at night. You still have to prove to the court why you were drunk on the night you were raped. You still have to justify your behavior when a man forces himself on you.

You still don’t have paid (or even unpaid) maternity leave. You still have to go back to work while your body is broken. While you silently suffer from postpartum depression.

You still have to fight to breastfeed in public. You still have to prove to other women it’s your right to do so. You still offend others with your breasts.

You are still objectified. You are still catcalled. You are still sexualized. You are still told you’re too skinny or you’re too fat. You’re still told you’re too old or too young. You’re applauded when you “age gracefully.” You’re still told men age “better.” You’re still told to dress like a lady. You are still judged on your outfit instead of what’s in your head. What brand bag you have still matters more than your college degree.

You are still being abused by your husband, by your boyfriend. You’re still being murdered by your partners. Being beaten by your soulmate.

You are still worse off if you are a woman of color, a gay woman, a transgender woman. You are still harassed, belittled, dehumanized.

Your daughters are still told they are beautiful before they are told they are smart. Your daughters are still told to behave even though “boys will be boys.” Your daughters are still told boys pull hair or pinch them because they like them.

You are not equal. Your daughters are not equal. You are still systemically oppressed.

Estonia allows parents to take up to three years of leave, fully paid for the first 435 days. United States has no policy requiring maternity leave.

Singapore’s women feel safe walking alone at night. American women do not.

New Zealand’s women have the smallest gender gap in wages, at 5.6%. United States’ pay gap is 20%.

Iceland has the highest number of women CEOs, at 44%. United States is at 4.0%.

The United States ranks at 45 for women’s equality. Behind Rwanda, Cuba, Philippines, Jamaica.

But I get it. You don’t want to admit it. You don’t want to be a victim. You think feminism is a dirty word. You think it’s not classy to fight for equality. You hate the word pussy. Unless of course you use it to call a man who isn’t up to your standard of manhood. You know the type of man that “allows” “his” woman to do whatever she damn well pleases. I get it. You believe feminists are emotional, irrational, unreasonable. Why aren’t women just satisfied with their lives, right? You get what you get and you don’t get upset, right?

I get it. You want to feel empowered. You don’t want to believe you’re oppressed. Because that would mean you are indeed a “second-class citizen.” You don’t want to feel like one. I get it. But don’t worry. I will walk for you. I will walk for your daughter. And your daughter’s daughter. And maybe you will still believe the world did not change. You will believe you’ve always had the rights you have today. And that’s okay. Because women who actually care and support other women don’t care what you think about them. They care about their future and the future of the women who come after them.

Open your eyes. Open them wide. Because I’m here to tell you, along with millions of other women that you are not equal. Our equality is an illusion. A feel-good sleight of hand. A trick of the mind. I’m sorry to tell you, but you are not equal. And neither are your daughters.

But don’t worry. We will walk for you. We will fight for you. We will stand up for you. And one day you will actually be equal, instead of just feeling like you are.

~ Dina Leygerman, 2017

Source: https://medium.com/@dinachka82/about-your-poem-1f26a7585a6f#.no83zx2re

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

ANTONIO CARLOS BRASILEIRO DE ALMEIDA JOBIM

Passarim quis pousar, não deu voou e vem navegando o azul do firmamento pra fazer felia a quem se ama.

Chora manso, bem baixinho, que a luz dos olhos meus é um regato, é uma fonte, é um pedaço de pão, coisas que só o coração pode entender!

Fundamental é mesmo o amor! É a coisa mais linda que eu já vi passar!

Doce é sonhar porque eu não posso mais sofrer. Estou morrendo de saudades! A minha felicidade está sonhando por causa de você.

Vai meu coração, ouve a razão. Eu sei e você sabe, já que a vida quis assim, que no peito dos desafinados outras notas vão entrar.

Na brisa, uma canção fala em você: uma cidade a cantar, a sorrir, a cantar, a pedir. É, só tinha que ser com você, ouve só mais uma vez que o verbo amar não se conjuga sem você.

Não te quero enganar… Por toda minha vida eu vou te amar.

(Composta com trechos de várias canções do Mestre. Todos os direitos reservados à família Jobim. Não tenho nenhum intuito comercial ou de auto-promoção.)

Meu poeta quem dera ter você aqui comemorando seus 90 anos! Vontade de novas composições. Ainda tinha tanto para você escrever! Saudades tantas…

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

SAUDADES DESSE LUGAR

Bateu uma saudade desse cantinho especial e da energia de lá!

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

UM DIA ‘COMUM’ EM UMA UPA DE UMA COMUNIDADE BRASILEIRA

A mãe e o pai chegam a uma UPA com um filho bebê, de 3 anos, desfalecido, inconsciente, nos seus braços.
O filho tem problemas de saúde, cardíaco.
Já a atendente é grossa e diz que eles tem que esperar sua vez.
O filho está desmaiado, desfalecido, ainda não se sabe se ainda vivo.
A mãe implora, aos prantos.
Lhes é permitida a entrada a uma sala onde DOIS médicos decidem não fazer nada pois não tinham recursos, oxigênio, etc…
Realmente, não tinham.
Mas um MÉDICO faz o impossível para tentar salvar uma criança cardíaca desfalecida.
Sem aparelhos podemos escutar a respiração, ouvir as batidas cardíacas, medir a pulsação.
Sem aparelhos podemos fazer massagem cardíaca, respiração artificial.
Esse dois médicos decidiram NÃO FAZER NADA! NADA!
Esses dois médicos fizeram o juramento de Hipócrates, mas optaram por NÃO prestar socorro a um bebê de 3 anos!
Esses dois médicos fizeram o juramento de Hipócrates, mas optaram por dizer aos pais que a criança já estava morta, que não havia nada a fazer.
Mas uma ambulância foi chamada, e apesar de demorar DUAS HORAS E MEIA, levou os pais e o bebê ao hospital.
O bebê está bem. Teve uma síncope – talvez por seu problema cardíaco, talvez pelo calor, quem sabe?
O bebê recebeu alta, voltou para casa. Está bem. Jantou. Mamou. Brincou. Agora dorme o sono dos inocentes, como deve ser.
Mas… Esses dois médicos fizeram o juramento de Hipócrates e NÃO FIZERAM NADA!!!! ABSOLUTAMENTE NADA!!

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

TERROR, NO MUNDO E EM CASA

#JeSuisParis… Pena que não é por sua beleza, por sua cultura, por sua arte, por sua culinária, por seu turismo, por sua história. O mundo chora pela França, assim como chorou pelos EUA em 2001, e por tantos outros países e povos por tanto tempo.france

Nas últimas décadas a maior desculpa é sempre o islamismo, mas há outras, infelizmente.

Talvez tenha gente que ache que eu não deva me preocupar tanto com o resto do mundo quando dentro do nosso próprio país morrem mais pessoas por dia que morriam durante a guerra no Iraque. Tragédias ambientais estão destruindo nossa própria terra.

Mas uma coisa não substitui ou desvalida a outra. Agora mesmo a pauta é o terrorismo, daqui a pouco entro no âmbito nacional.

Se fizermos uma breve pesquisa na Internet, vamos encontrar vários ataques terroristas só no ano de 2015 – só na França foram 5 ou 6 desde o começo do ano. Entre os que “mereceram” sair no noticiário internacional, encontrei 32 deles em poucos minutos, isso sem contar as decapitações e os fuzilamentos realizados pelo Estado Islâmico. Aqui tem um link para eles: ATENTADOS.

Aí voltamos para “casa” e vemos horrores por aqui. Uns sendo encarados já como comuns à vida dos brasileiros: descasos, roubos, assassinatos, tráfico, arrastões, impostos, corrupcão. Notícias que inundam nossos jornais diariamente e que se apertarmos muito as folhas deles, deve pingar sangue!

Politicamente o país está um caos. Financeiramente, uma tragédia. Jurídicamente nem se fala! E por causa de tudo isso, pela falta de seriedade de nossas autoridades, pela corrupção das instituições que deveriam proteger nosso país e a nós, seu povo, mais e mais tragédias acontecem.

Acredito que o maior problema é mesmo a corrupção e a ganância que levam que nosso país sofra. Desde o desmatamento ilegal e descontrolado da Amazônia, à contaminação dos rios e praias, Petrolão, escândalos políticos, enriquecimento e ostentação em geral. Olho grande, barriga pequena. Não foi sempre assim no Terceiro Mundo?

Agora mesmo Minas Gerais sofre o maior desastre ambiental de sua história. Não é o único, apenas é tão grande que não pode ser encoberto: o ddesastreesastre da barragem da empresa Samarco Mineração de propriedade da Vale e da BHP Billiton. A Samarco sempre foi uma empresa comprometida com seus funcionários e os terceirizados, com suas comunidades, com o meio ambiente. E de repente, vemos esta empresa que antes servia como exemplo de mineração feita com consciência, virar manchete por um desastre que leva a crer, infelizmente, que um crescimento muito grande em pouco tempo a levou a “despreocupar” com seu bem mais importante: funcionários, comunidades e meio-ambiente.

Sempre soube que esta empresa é séria e responsável e acredito que desta vez não tentará fugir de todas as suas responsabilidades nesta tragédia. Se não agir desta forma será a minha maior decepção com uma empresa privada que eu acredito conhecer profundamente.

Mas os anos passaram. A empresa quadruplicou. O que será que ainda mantém dos seus estatutos iniciais, dos seus primórdios?

E para completar, vem o governo tirar proveito da desgraça do seu próprio povo. Dilma NÃO visitou o epicentro desta tragédia, Mariana, MG. Mas sim Governador Valadares porque a prefeita é do PT. E bem sabemos que as multas e o dinheiro apreendido da empresa pelo governo não vai chegar a quem precisa, as vítimas.

Esperança? Ainda é uma palavra que faz parte do meu vocabulário em relação a este país e ao mundo, mas cada vez ela fica mais próxima da palavra decepção.

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

JE SUIS MIGRANT

Eu não consigo passar incólume pelas tragédias do mundo. Nunca consegui. Eu não tenho estrutura psicológica para ver a fome, a dor, a miséria alheia sem que me afetem de forma praticamente pessoal. Choro, perco o sono, me estresso, tento imaginar soluções. Talvez eu seja muito passional, viva tudo muito a flor da pele. Mas não sei viver sem me preocupar pelo todo, pelo conjunto. Definitivamente eu não sei ser feliz sozinha! Posso ficar muito feliz por algo bom que aconteça a outras pessoas, mas não consigo ficar inteiramente feliz por algo de bom que aconteça só a mim.

image

Quando saí do Brasil pela primeira vez, me vi conscientemente aliviada ao não ver mendigos e crianças nas ruas pedindo esmola. Mas depois sofri morando na Espanha na época da guerra da separação da Yugoslavia. Participei do grupo da Cruz Vermelha fazendo triagem pra ver para onde seriam enviados os refugiados – a Espanha foi dos países que mais recebeu imigrantes da Yugoslavia.

Me lembro ainda antes, ainda criança, de chorar à noite quando vi as atrocidades de Idi Amin Dada – acho que foi a primeira vez que tive consciência do que é a maldade em massa. Sofro com as atrocidades de Mugabe no Zimbabwe. Tenho pesadelos com o Boko Haram. Ruanda. A exterminação de indígenas. O Apartheid. Faixa de Gaza. As milícias. Jalisco. As guerras e genocídios com desculpas religiosas. O sequestro de mais de 200 meninas estudantes para ser escravas sexuais. Os traficantes com suas leis de superioridade. Malala. Betty Mahmoody. Ayaan Hirsi Ali. Tibetanos massacrados por chineses. Os curdos por Saddam Hussein. Al Qaeda. Timor Leste. Biko. Camboja. Maagreb. Haiti. Líbia. Eritreia.

Hoje, vejo os refugiados andando quilômetros com apenas uma mochila ou um saco de dormir. Gente com cara de pobre, de rico. Gente bem ou mal vestida. Gente igual a nós. Pessoas que tinham uma vida normal, digna, tendo que deixar tudo para trás para simplesmente sobreviver dos horrores de grupos terroristas assassinos cruéis como o Estado Islâmico. E sempre alguém usando os livros sagrados, Al Quoran, Bíblia, ou o que seja, como justificativa para seus atos cruéis!

Anteontem eu vi um menino deitado na beira da praia. Parecia sereno. Parecia que dormia. Nos braços do guarda, sem ler a legenda, ainda parecia um menino dormindo.

Ele estava morto. Náufrago de um dos tantos barcos que tentam cruzar o Mediterrâneo e o Adriático em busca de uma oportunidade de vida, só vida, sem importar muito a qualidade. Ele, com seus pais e irmão, tentavam fugir da morte pelas mãos de bárbaros genocidas e caíram no colo da morte de um mundo que lhes negou a esperança.

Ele está morto. Ele está morto. Ele está morto! E não há nada que a gente possa fazer para ignorar ou apagar aquela imagem das nossas mentes.

Então eu choro…

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

BARACK OBAMA

This week my President bombed! I’m so proud of everything he conquered!

This morning the US Supreme Court has ruled that same-sex marriage is a legal right across the United States – “When all Americans are treated as equal, we are all more free ” – Barack Obama. Same sex marriage is a CONSTITUTIONAL right!

In the evening he delivered one of the most beautiful eulogy of the American history at Charleston shooting funeral of Rev. Clementa Pinckney.

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page

ECONOMIA & POLÍTICA BRASILEIRA

Não aguento ver programas de tragédias ou sobre terror na TV, me deprime muito! Por isso quando começa “Conta Corrente”, “Economia e Negócios”, “Painel”, “Fatos e Versões”, “O Povo Economia”, eu mudo logo de canal e vou assistir algo sobre serial killers ou filmes tipo “O Exorcista” ou “O Iluminado”, algum desses programas lights e relaxantes!

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Email this to someonePrint this page