HISTÓRIA, NADA DE ESTÓRIAS!

“Enquanto não atravessarmos nossa própria solidão, continuaremos a nos buscar em outras metades… Para viver a dois, antes, é necessário ser um.” – Fernando Pessoa.

Sempre me foi difícil ter relacionamentos plenos pois sempre acreditei não necessitar um par para ser feliz. Os necessitei como companheiros em vários momentos, mas não para me constituir como pessoa, para ser plena. Eu não tenho outra metade posto que nasci inteira! Não sou laranja nem outra fruta! Escolhi compartilhar minha vida, e escolher é diferente de precisar.

Mas a recíproca não me pareceu igual. Assim nenhum dos lados puderam ser felizes depois que a paixão do princípio se acalmou. Acho que por isso não perdurou, não tinha como perdurar. Quando a necessidade de um par é tão diferente, a relação fica capenga. Isso acontece a toda e qualquer união social, seja casal, família, amigos, trabalho. Quando o objetivo e/ou as necessidades da união se diferem, a união não pode permanecer estabelecida.

E aí as diferenças ficam soberbas! E essa soberbia incomoda muito, transformando-se em verdadeira T.N.T.

As gracinhas viram ironias. As piadas, provocações. O nível social que dantes não era problema, passa a ser um despautério! A intelectualidade divergente que podia dar até um certo molho picante no início, passa a ser falta de inteligência cortante!! A variedade cultural de um lado vira snobismo à singularidade do outro.

Mas as experiências servem para o aprendizado e crescimento humano. E por mais que doa, transformar a dor é direito e evolução do ser humano. Intuito de alguns, conquistas de pouquíssimos já que para isso havemos de nos aprofundar mais e mais nessa dor, senti-la ainda mais forte. Aí então poderemos começar a destrinchá-la, entendê-la e tirar-lhe proveito.

Ou então simplesmente fechamos o livro, o ignoramos, repetimos tudo de novo, fracassamos uma e outra vez, e ficamos ali no mesmo lugar acreditando em uma evolução frágil e mascarada. E a vida passa. Pode até que a estória perdure, mas a evolução ficou estancada muito tempo atrás…

Para alguns, ou muitos, essa simplicidade (na falta da palavra simploriedade) pode ser suficiente, mas não para mim! Os simples resolvem a complexidade, os simplórios a evitam. Antes de alimentar minh’alma ou corpo, necessito alimentar meu cérebro. E cérebros se alimentam apenas de outros cérebros!

Uma vez alguém me disse que errar o mesmo erro uma e outra vez era como assistir o mesmo filme e a cada vez, esperar que o herói não morresse no final, esquecendo que tudo aquilo era apenas a re-apresentação do mesmo filme, apenas com um casting diferente.

Por isso não releio as mesmas estórias…

9 comments

  1. Solange A. says:

    Muito reflexivo o seu post e muito verdadeiro também. Você escreveu com a alma. Eu te entendo.

  2. Naluh says:

    Sol!! Quantas saudades!!

  3. Mariza Roedel says:

    Bom demais ler esta coisa linda. Isto é dor mastigada, engolida, digerida e… transformada! Sigo te amando!

  4. Estou aqui revivendo meu google reader e dou de cara com esse texto.
    Tão verdadeiro, né? Eu acho que sou aquele tipo de pessoa que preciso da outra metade, mas só se ela realmente me completar, do contrário, melhor se apresentar em partes…
    Que delicia ver a Sol aqui também 🙂
    bjos nas duas

  5. Eduardo says:

    E que alma!!

  6. Naluh says:

    Saudades, Mi!

  7. Naluh says:

    @Mirella: será que invês disso, você não é alguém que já conseguiu ser um e por isso pode ser dois??? 😉

  8. Eduardo says:

    Saudades de você, menina!

  9. Juán P. says:

    Pues… Sí, ¡qué alma! T’estimo molt!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *