RIO DE JANEIRO, BOPE, PAZ, TRÁFICO, HUMOR, GOVERNO

Polícia deveria ser protetora, estabelecedora da ordem, pacificadora, amiga do povo. Infelizmente o poder é a droga mais forte que existe, e mesmo que em pequenas quantidades, vira a cabeça dos homens. Seguranças até de festa, só pela ordem de barrar ou não alguém, já se acham no direito de reinar. Quando existe uma arma que pode tirar a vida nas mãos deles, este pequeno poder os transforma em verdadeiros deuses.

Agora vemos a polícia e outras forças de segurança no Rio de Janeiro com todo o poder e força, e, pela primeira vez em muitos anos, nós estamos do mesmo lado.

Também pela primeira vez, vemos claramente dois lados bem definidos nesta “guerra”: os traficantes no lado do Mau, as forças de segurança do lado do Bem. E nós, vítimas tanto de um quanto de outro, reunimos todas nossas esperanças, e queremos acreditar no Bem. Neste momento esquecemos que a polícia, o governo, empresários, entre outros, foram coniventes e aliados, quando não associados, aos que agora representam o Mau. Esquecemos que perdemos filhos, irmãos, amigos, pais, não só para o grupo do Mau, mas para os que agora representam o Bem. E não foi por bala perdida, por acidente, por falta de intenção. Foram mortes propositais porque muitos que agora estão no grupo do Bem, tiveram que escolher um lado oficial, ao menos neste momento.

Eu queria poder confiar neles o ano inteiro, a minha vida inteira! Mas quando as condições tanto de poder quanto de vida têm tanta disparidade e a corrupção facilita a melhoria desta ou apenas o acesso ao poder, eu me mantenho alerta!

Acho que somos, queremos ser, ingênuos e acreditar que agora tudo vai ficar bem, que temos aliados e o Rio está começando um processo que vai se alastrar pelo estado e depois tomar o país, e vamos ser felizes para sempre, the end!

Deixamos que a mídia nos encha de esperanças! Acreditamos que o Coronel Nascimento exista e o vemos no rosto do Beltrame e em cada um dos seus soldados – até procuramos para ver se tem alguém parecido com o Wagner Moura! Vidramos nos programas de televisão e acreditamos em cada ataque, cada prisão, cada apreenção. Como na Copa viramos patriotas da noite para o dia e reverenciamos com orgulho a bandeira do Brasil no topo do Conjunto do Alemão. Descrescemos e voltamos a acreditar em contos de fadas e super-heróis!

Mas enquanto policiais tenham que morar em favelas porque seu trabalho não lhe dá condições de uma vida mais digna; Enquanto seus filhos não tiverem uma perspectiva de um futuro melhor; Enquanto a miséria façam que os valores sociais sejam distorcidos, podemos tentar acreditar em qualquer conto de fadas, mas nada vai mudar.

Em uma “empresa” que emprega o mesmo número de pessoas que a Petrobrás, e muita gente está envolvida e mamando nela, ninguém quer “fechar as portas”. Vida? O que vale a vida quando a outra opção é grana, muita grana? Talvez para você, como para mim, não tem dinheiro que pague. Para eles, não tem vida que valha!

Bolívia produz coca… Bolívia não produz acetona, éter, etc… Brasil exporta esses químicos para a Bolívia. O pessoal da indústria química não sabe para que vão ser usados? Os exportadores e transportadores também não? O governo que tabela, autoriza, promove essa exportação, também não?

Ahãn… me engana que eu gosto! Esse é nosso problema: a gente gosta de ser enganado e vai deixando, deixando, deixando… E agora esperamos que Coronéis Nascimento da vida voem ao redor do globo e consertem todos os erros, os que foram feitos, e que deixamos serem feitos.

Somos acomodados (não me exclúo!) porque é mais fácil, mais cômodo. É muito chato abrir mão de nosso conforto, compartilhar nossas posses, arcar com o compromisso social… Deixa que o Estado faz! E tiramos o nosso da reta!

Aí, como bons brasileiros que somos, fazemos piadas e brincadeiras com as tragédias que nos assolam. Coisa que outros povos nem cogitam nem entendem!



Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *